fechar busca

Um marco da história da arquitetura brasileira e da vida de Oscar Niemeyer. A *Igreja de São Francisco de Assis* ou *Igreja da Pampulha* é o primeiro grande trabalho de expressão da vida do grande arquiteto brasileiro, que se tornou mundialmente conhecido pela construção de Brasília.

Junto com a Casa do Baile, o Cassino (hoje Museu de Arte da Pampulha) e o Iate Clube, a igreja compõe o Conjunto Arquitetônico da Pampulha, todos concebidos por Niemeyer, em Belo Horizonte, Minas Gerais.

O desenho curvilíneo, já marca do arquiteto modernista, fazem referência às montanhas do Estado da cachaça e do queijo. As linhas mais livres e a presença do concreto armado foi um passo ousado para um projeto que data 1943. Pela primeira vez em edificações católicas no Brasil, foram usados traços muito diferentes da tradição religiosa, marcada pelos prédios robustos e imponentes do período colonial.

O teto é uma sucessão de abóbadas, das quais duas das principais cobrem a nave e o santuário, e três secundárias envolvem a sacristia e anexos. Na fachada principal, uma marquise reta conduz à torre que emerge na lateral. Conforme o site do Governo de Minas Gerais, Niemeyer explicou anos mais tarde: “Era um protesto que eu levava como arquiteto, de cobrir a igreja da Pampulha de curvas, das curvas mais variadas, essa intenção de contestar a arquitetura retilínea que então predominava”.

Os jardins da igreja são assinados pelo maior paisagista brasileiro, cujos trabalhos também podem ser vistos no Cassino (hoje Museu de Arte da Pampulha) e na Casa do Baile.

Uso

arquitetura

Cidade

Belo Horizonte

Arquiteto

Oscar Niemeyer

Fotógrafo

Raul Di Pace